Pular navegação Âncora - voltar à página inicial

textos em foco

A ZONA DA MATA DE PERNAMBUCO

Equipe de Projetos da Âncora

1. Raízes históricas

A Zona da Mata de Pernambuco é composta por 43 municípios, ocupando uma área de 8.738 km2, correspondente a 8,9% do território estadual e estando situada entre os meridianos de 34°80' e 30°20' Oeste de Greenwich e os paralelos 8º20' e 9°00' Sul . Até bem pouco tempo, a maior parte desta área era referida como "região canavieira". É uma das Regiões de maior potencial econômico do Nordeste, pelos recursos naturais disponíveis (água, solo, etc.), pelas vantagens locacionais (em torno da Região Metropolitana do Recife), com razoável infra-estrutura econômica (estradas, portos marítimos, aeroportos) e abundante contingente de mão-de-obra. No último censo demográfico, a sua população era de 1.132.544 habitantes, equivalendo a 15,9% da população do estado, dos quais 62% se encontravam na zona urbana. Nessa Região concentra-se a monocultura canavieira, que, em uma área de aproximadamente 450 mil hectares, chegou a empregar em épocas de safra, mais de 200 mil pessoas.

O Setor Canavieiro de Pernambuco, no entanto, não conseguiu estabelecer um processo de desenvolvimento dinâmico como, por exemplo, o ocorrido em São Paulo. Por razões históricas de sua formação, com raízes coloniais que remontam ao Século XVI, continuou nas mãos da oligarquia latifundiária, que usa a terra como base de poder. O monopólio da terra garantiu a monocultura canavieira e inibiu o surgimento de outras atividades econômicas, gerando problemas estruturais, tias como: desemprego (estrutural e sazonal) e subemprego, déficits sociais elevados e a degradação do meio natural.

Com a implantação do PROALCOOL, programa do Governo Federal, na década de 70, ampliou-se a plantação de cana em áreas de solos e relevo não adequados à cultura, agravando as dificuldades crônicas de baixa produtividade agrícola (por atraso tecnológico). Com efeito, a baixa produtividade média de 47 t/ha (contra 70 t/ha em São Paulo) pode ser explicada pela defasagem de vários componentes tecnológicos, que vão desde a utilização de certas variedades de baixo potencial produtivo, em mais da metade da área plantada, até a ausência de certas tecnologias biológico-químicas, passando pela não utilização da mecanização em cerca de 85% da área.

Outro efeito negativo do PROALCOOL foi a drástica redução das pequenas áreas exploradas com culturas alimentares (mandioca, inhame, batata-doce, feijão e milho), e algumas espécies frutíferas. Só mais recentemente, diante do agravamento das dificuldades do setor canavieiro, é que se observa uma tendência para a retomada dessas iniciativas de diversificação das atividades agrícolas. Na orla litorânea, em áreas não atingidas pela especulação imobiliária, é encontrado o coqueiro gigante em formações espontâneas ou lavouras comerciais.

Também, as práticas gerenciais e tecnológicas, em utilização pela grande maioria das unidades de fabricação, permanecem em níveis incompatíveis com as de seus concorrentes localizados no Centro-Sul do país. Após a introdução do engenho a vapor no processo de fabricação do açúcar no final do século XIX, somente na década de 70 voltaram a ocorrer investimentos significativos na modernização da indústria canavieira, orientados, principalmente, para a produção de álcool. Após esse período, apenas uma ou outra empresa isoladamente investiu fortemente em suas unidades de fabricação.

Há, porém, um consenso entre os estudiosos da questão açucareira de Pernambuco de que as políticas paternalistas adotadas a partir da década de 30, contribuíram para a defasagem tecnológica ocorrida no Nordeste ante os seus competidores paulistas, principalmente.

Em síntese, a Zona da Mata de Pernambuco herda do seu passado um elenco de problemas estruturais nas dimensões econômica, social, ambiental, política e cultural, que podem ser resumidos da forma a seguir:

2. A crise atual, a partir dos anos 90

A fragilidade, acentuada nas últimas décadas, do setor sucro-alcooleiro da Zona da Mata de Pernambuco somente tem ganho evidencia em momentos (cíclicos) de aguda inadimplência financeira. Geralmente, a reação dos trabalhadores rurais, em demonstrações públicas, contra a demissão em massa e a falta de pagamento de débitos trabalhistas, sempre foi o primeiro sinal visível, ao grande público, desses momentos caracterizados como crises. E em clima de crise, a pressão política dos usineiros atua de forma a acobertar os débitos bancários, tributários e previdenciários sob o manto protetor do Estado. Na verdade, o poder público, através do IAA - Instituto do Açúcar e do Álcool, sempre protegeu de forma permanente o setor canavieiro, via equalização de custos (mecanismo de compensação pela menor produtividade agrícola da cana do NE) e administrando preços, quotas de produção e reserva de mercados.

Com a existência do IAA, acabou o subsídio de equalização de custos, mas concedeu-se um sobrepreço de 25% no álcool produzido no Norte e no Nordeste e isenta-se de IPI o açúcar dessas regiões (18% no Centro-Sul).

A partir da safra 90/91, o Nordeste perdeu a exclusividade do mercado externo (exclusividade que camuflava a ineficiência para competir), no momento em que a demanda e os preços internacionais de açúcar se elevaram substancialmente - principalmente pela queda da participação de Cuba e o aumento de consumo da China. O estado de São Paulo, que até então contentava-se em abastecer o mercado interno, entre agressivamente no mercado internacional (baixando os preços, inclusive), saindo de 84 mil toneladas exportadas em 1990 para 1,6 milhões de toneladas em 1991 e, com a frustração de safra de Pernambuco em 94/95, alcança 2,5 milhões de toneladas de açúcar exportadas.

Como se vê, a crise dos anos 90l da economia canavieira de Pernambuco agrega novas dificuldades, alcança maior dimensão e diferencia-se das anteriores (fundamentalmente) por acontecer no momento em que o Estado brasileiro redefine as suas funções - para adequar-se à "nova ordem" imposta pela globalização - e, por isso, não está disposto a assumir o ônus da dificuldades do setor. Com efeito, a crise perde a característica de "coisa temporal" e aponta para a perspectiva de fim de um modelo de exploração monocultural.

Como esse entendimento ainda não é consensual entre os usineiros e os fornecedores de cana, há uma certa perplexidade dessas categorias com a "insensibilidade" do governo federal. Na verdade, alimentam a esperança de que o seu pode político - ainda, sem dúvida, muito forte - consigna saídas para a crise, na base de políticas compensatórias e de proteção ao setor. Todavia, os empresários mais modernos e, principalmente, os dirigentes das entidades que os representam (sindicatos e associações) possuem o diagnóstico correto da situação e buscam alternativas que se adaptem aos "novos tempos", o que sinaliza para a possibilidade de um entendimento dos agentes diretamente envolvidos com a economia canavieira, na construção de um projeto alternativo para a Zona da Mata.

3. Ambientes naturais: potencialidades, limitações e uso atual do solo

A denominada Zona da Mata corresponde, do ponto de vista do meio natural, a zona fisiográfica Litoral-Mata de Pernambuco que se apresenta como um complexo bioedafoclimático de elevada diversidade. De clima úmido e com vegetação natural do tipo floresta tropical chuvosa, não mais existente, essa Zona apresenta duas porções distintas: uma Meridional mais chuvosa, e outra Setentrional menos úmida, com estação seca mais pronunciada.

Em traços largos, três grandes ambientes naturais distintos podem ser identificados:

Junta-se, a esses três grandes ambientes, a Planície Aluvial (Várzeas) dos cursos baixos dos rios que entrecortam as porções meridional e setentrional de zona Litoral-Mata.

Nessa Zona Fisiográfica, o clima quente e úmido, caracterizado, principalmente na porção meridional, pela razoável quantidade e distribuição das chuvas e a boa capacidade de armazenamento de água da maioria de grande parte dos solos, ano limita a oferta de água para as plantas dos diferentes agroecossistemas. Entretanto, a pobreza em nutrientes para as plantas, associada á suscetibilidade, à erosão e ao relevo acidentado da maioria dos solos, além do adensamento natural daqueles predominantes nos "Tabuleiros" e a má drenagem das várzeas, restringe a expressão do potencial produtivo das espécies vegetais componentes dos diversos agroecossistemas. Destas forma, são as características e propriedades dos solos e o relevo acidentado de forte expressão e não, em geral, a oferta de água para as plantas, animais e homem, que condicionam o desempenho dos agroecossistemas.

A ocupação agrícola desses diferentes ambientes, muito embora revele maior ou menor ajustamento aos recursos naturais, expressa, de certo modo, as raízes socioeconômicas e histórico-culturais da colonização do Nordeste, com a predominância da lavoura canavieira.

Nos solos arenosos da Planície Quaternária da orla litorânea, apesar da forte especulação imobiliária, se faz presente em formações espontâneas ou em lavouras comerciais, tanto na porção norte quanto na sul, o coqueiro gigante ou coco da praia, o que de certo modo revela o hábitat predileto dessa planta. Por outro lado, nas áreas de manguezais de solos salinos, desenvolve-se uma pesca artesanal, em via de total desaparecimento, o cultivo semi-intensivo de peixes, os tradicionais "viveiros", e também a captura de alguns tipos de crustáceos e moluscos.

Nos interflúvios, principalmente, nos "Tabuleiros" de solos, em geral, aeronoso, de baixa-fertilidade e ocorrência de adensamento natural, a ocupação até certa época era pouco expressiva. A cobertura vegetal do tipo "Cerrado" predominava nesses solos, enquanto em áreas de solos menos pobres a vegetação mais exuberante convivia com a presença de sítios (pequenos pomares de fruteiras e cultivos de subsistência) e de pequenas áreas, exploradas por foreiros, com culturas (mandioca, inhame, batata-doce, feijão, milho etc). de autoconsumo. "A expansão da cultura da cana-de-açúcar, principalmente após a implantação do PROALCOOL, ocupou "Tabuleiros" e "Chãs". Mesmo assim, nas "Chãs", de solos ácidos, da porção norte de Pernambuco, constata-se o surgimento de atividades como: avicultura, suinocultura e os cultivos do inhame, abacaxi, coco-anão e, ultimamente, da acerola, entre outros.

Na área denominada de Faixa Cristalina, há, pelo menos, quanto ao clima, duas condições ambientais bem distintas. Na porção meridional de Pernambuco, o clima bastante úmido possibilitou, principalmente após a implantação das usinas de açúcar, a expressão máxima da cana-de-açúcar, que ocupa não só algumas áreas de solos aluviais (hidromórficos) das várzeas dos rios, mas também as encostas e topos das colinas. Nas várzeas, os solos são ricos em elementos nutritivos para as plantas, muito embora a presença elevada do lençol freático, em grande parte do ano, restrinja a disponibilidade de oxigênio para um grande número de espécies cultivadas. Nas colinas, a baixa fertilidade natural dos solos é marcante, sendo agravada pela suscetibilidade à erosão, principalmente quando situados nas encostas. É, desse modo, pequena a ocorrência de outras formas e uso da terra, que não o cultivo da cana-de-açúcar, e também bastante concentrada a posse da terra.

No presente, podem ser encontrados outros tipos de atividades agrícolas como: a cultura da banana-anã ou nanicão, com áreas concentradas em poucos municípios e, mais recentemente, o cultivo da seringueira e do cacau, além do surgimento das explorações de gado bovino (corte e leiteiro), de bubalinos e de pequenas criação de peixes e camarões.

Na porção norte do estado, as condições climáticas mais restritivas, quanto à pluviosidade, e o relevo mais acidentado da Faixa Cristalina, muito embora com ocorrência de solos de elevada fertilidade natural, confinaram a cana-de-açúcar às largas várzeas do médio e baixo curso dos principais rios e às partes baixas das encostas, determinando o que se denominou de "Zona de Várzeas Canavieiras". Mais recentemente, os incentivos governamentais à expansão canavieira fizeram com que a cultura ocupasse "Tabuleiros" e "Chãs", adentrando-se também em áreas mais declivosas. Estes componentes do meio natural podem ser apontados, em grande parte, como responsáveis pelo menos número de usinas de açúcar e pela presença de propriedades de tamanhos pequenos e médio (donos de engenhos de antigamente e posteriormente os fornecedores de cana). Essas áreas, no passado, representavam o domínio da pecuária, que abasteça o plantation canavieiro de carne e animais de tração, ao lado de pequenas lavouras de subsistências, das culturas do algodão, herbáceo e de café.

As condições ambientais restritivas para a cultura da cana-de-açúcar e as crises do mercado de açúcar fizeram com que senhores de engenhos e fornecedores de cana desmembrassem suas terras e/ou procurassem outras alternativas para o uso do solo, o que, de certo modo, conduziu a diversificação dos agroecossistemas existentes. Assim, em função da topografia do terreno e da maior ou menor disponibilidade de água, ecossistemas agrícolas constituídos pela cultura da bananeira, da uva preta - esta em alguns municípios -, além da pecuária de corte, são encontrados ocupando a grande maioria das encostas. Há, também, a ocorrência de outros tipos de exploração vegetal, como as da cultura do inhame da Costa, batata-doce, mandioca, além daqueles constituídos por algumas espécies frutíferas e uma expressiva atividade avícola.

4. A Cidade e o Campo

A migração do campo para a cidade dá-se hoje em a duas direções: (a) para o Centro-Sul na busca de conseguir emprego; e (b) outra parte migra para as periferias do Recife e de outras cidades de porte médio da Região, em condições precárias, passando à condição de sub-empregados na informalidade. Muitos se marginalizam ou sobrevivem com os programas compensatórios do governo federal.

Recentemente, estudiosos têm observado o retorno para o campo, de parcela significativa dos que migraram, por razões de grandes dificuldades de moradia nas periferias das grandes cidades. Nesse aspecto, a moradia nos engenhos, que não derrubaram as antigas cassas de morador, é a principal atração. Além disso, ações dos governos de alguns municípios no atendimento à saúde básica da família, oferta dos serviços do ensino e a merenda escolar, na área rural, têm estimulado essa volta. Uma certa melhoria na oferta de emprego devida à retomada do preço da cana e do incremento do seu maior cultivo, também contribui para esse retorno ao campo.

A migração, contudo continua entre os mais jovens, principalmente. A preferência ainda é pela cidade grande. De acordo com estudo feito pela Universidade Católica de Pernambuco (SICSU; MEDEIROS, 2002), informações das escolas agrícolas da Mata Meridional indicam que:

... os jovens que se profissionalizam nas cidades apresentam o seguinte perfil: 10% voltam para aplicar o que aprenderam nas propriedades rurais dos próprios pais; cerca de 30% ficam na cidade à procura de oportunidades, de concursos da prefeitura, de um contrato numa escola ou emprego no comércio local; os outros, 60%, quando terminam o curso, vão fazer vestibular na capital e lá se fixam, procurando, na capital ou em outra cidade próxima, uma profissão que melhor remunere seu trabalho e dificilmente voltam. Nesse sentido, é bom notar que vem ocorrendo um esvaziamento de quadros qualificados que poderiam ajudar nas modificações estruturais da região.

A Zona da Mata de Pernambuco é constituída de 43 municípios, os quais formam três microrregiões: a Mata Meridional (21 municípios), a Mata Setentrional (17 municípios) e Vitória de Santo Antão (5 municípios). O Quadro apresentado a seguir relaciona os municípios por microrregião, indicando, para cada um, a sua população total e da cidade sede do município e a taxa de urbanização para dois mil.

QUADRO 1 - MESORREGIÃO DA MATA PERNAMBUCANA
POPULAÇÃO TOTAL E POR MUNICÍPIO E TAXA DE URBANIZAÇÃO 2000

MATA MERIDIONAL (Mata Sul)
MUNICÍPIOS POPULAÇÃO TAXA DE URBANIZAÇÃO POPULAÇÃO SEDE MUNICÍPIO
Água Preta 28.715 51,15 13.002
Amaraji 21.319 67,49 14.388
Barreiros 39.151 79,29 30.908
Belém de Maria 10.634 61,80 4.200
Catende 31.149 75,19 19.944
Cortês 19.986 65,22 8,436
Escada 56.959 79,82 42.530
Gameleira 23.784 70,26 16.001
Jaqueira 11.640 50,78 5.911
Joaquim Nabuco 15.921 60,40 9.617
Maraial 13.940 56,44 6.454
Palmares 55.658 77,82 45.548
Primavera 11.470 57,92 6.643
Quipapa 22.202 49,11 9.706
Ribeirão 41.368 71,39 27.356
Rio Formoso 20.763 40,21 6.963
São Benedito do Sul 10.477 50,33 3.643
São José da Coroa Grande 13.953 67,98 9.494
Sirinhaém 33.079 41,03 9.674
Tamandaré 17.056 67,65 10.835
Xexéu 13.597 57,76 7.853
MATA SETENTRIONAL (Mata Norte)
MUNICÍPIOS POPULAÇÃO TAXA DE URBANIZAÇÃO POPULAÇÃO SEDE MUNICÍPIO
Aliança 37.188 45,91 12.353
Buenos Aires 12.016 53,40 6.416
Camutanga 7.830 76,59 5.997
Carpina 63.769 95,60 60.965
Condado 21.756 84,72 18.432
Ferreiros 10.737 64,92 6.970
Goiana 71.088 61,12 94.876
Itambé 34.966 75,28 18.730
Itaquitinga 14.950 72,11 10.780
Lagoa do Carro 13.083 61,59 8.058
Lagoa de Itaenga 19.908 75,79 15.088
Macaparana 22.474 60,07 13.500
Nazaré da Mata 29.218 84,45 26.674
Paudalho 45.063 76,32 34.391
Timbaúba 56.895 77,39 41.842
Tracunhaém 12.379 76,20 9.433
Vicência 28.744 36,38 9.434
VITÓRIA DE SANTO ANTÃO
MUNICÍPIOS POPULAÇÃO TAXA DE URBANIZAÇÃO POPULAÇÃO SEDE MUNICÍPIO
Chã Grande 18.403 63,70 11.722
Gloria de Goitá 27.528 45,49 10.575
Pombos 23.343 59,88 12.801
Vitória de Santo Antão 121.269 81,92 98.075

As cidades da Zona da Mata nasceram ao redor dos grandes engenhos e usinas de cana de açúcar e cresceram estruturando-se para fornecer produtos e serviços exigidos pelo complexos sulcroalcooleiro. As atividades são predominantemente rurais, e os pólos de convergência da produção rural sempre foram as usinas e não as cidades. Estas não funcionavam como entrepostos e não desenvolveram dinâmicas próprias, vivendo para suprir as necessidades das usinas e das pessoas com elas envolvidas. Assim, explica-se o fato de as cidades não terem se desenvolvido e tampouco crescido. As maiores apresentam ainda hoje população urbana de até 60.000 habitantes, destacando-se Carpina, Palmares, Timbaúba, Escada e Goiana. A exceção é Vitória de Santo Antão, cuja população aproxima-se de 100.000 habitantes.

Essas cidades de porte médio cresceram com a transferência da população do campo de seu município e de municípios vizinhos por conta da crise do setor sulcroalcooleiro, e a transferência dos trabalhadores desempregados, inchando as cidades de gente e de significativas carências de serviços e de infraestrutura urbana.

Caracterizando mais precisamente: os Municípios da Zona da Mata Pernambucana podem, hoje, Pode-se dividir os municípios da zona da Mata em dois blocos: (a) os que possuem cidades-pólos com significativo dinamismo; e (b) os que têm sedes com baixo dinamismo e, por isso, subordinadas às atividades canavieiras e às cidades Pólos.

Em algumas cidades maiores, foram desenvolvidos alguns ramos industriais como o de mobiliário, calçados, o de confecções, a construção civil, minerais não metálicos, metalurgia e alimentos. Muitos desses ramos, ao alcançarem certo vulto, sofrem as exigências de maior capacidade de competição, o que tem levado tais atividades a enfrentar fortes dificuldades de sobrevivência. Mesmo assim, pode-se encontrar, na região, algumas atividades industriais ou agroindustriais que merecem destaque.

Pode-se verificar diversificação nos serviços em algumas cidades, além do comércio varejistas e dos serviços de administração pública. Atividades como comércio atacadista, transporte e comunicações, alojamento, alimentação, oficinas de reparação e manutenção, saúde, educação e utilidades públicas. Nas cidades Pólos, como Palmares, Timbaúba, Goiana, Escada e Vitória de Santo Antão, nota-se o surgimento e consolidação de classes médias locais, fortemente relacionadas com os setores de serviços e comércio.

Os municípios polarizados e subordinados ao complexo ao canavieiro local não diversificaram as atividades urbanas. De uma maneira geral, nas suas cidades, as atividades mais importantes são o pequeno comércio e os serviços oferecidos pela administração pública. A produção de bens industriais ou agroindustriais é inexpressiva e os serviços são pouco diversificados. O crescimento dos programas sociais do governo federal, inclusive das aposentadorias, e as transferências de renda de pessoas que migraram para grandes cidades, fazem com que haja um certo crescimento da renda local, que ajuda a manter o comércio e os serviços.

A tendência ainda tímida de diversificação das atividades agrícolas, leva a igual tendência de ocorrerem oportunidades de diversificação urbana na Zona da Mata (agroindústrias alimentícias, beneficiando banana e derivados, passas, doces, farinha entre outras atividades). Outras atividades como o turismo, o artesanato, os movimentos artísticos e culturais sugerem serviços urbanos, tais como, hotéis, restaurantes, capacitação, comunicações, etc..

O citado estudo da UNICAP percebe que, ultimamente, vem ocorrendo um certo dinamismo na Zona da Mata, conforme trecho transcrito a seguir.

Assim, vê-se prosperar setores como os de saúde e educação, além da construção civil. O setor de serviços se diversifica, surgindo assessorias e cursos em diversas áreas como contabilidade e informática. Escolas de línguas vêm completar a malha educacional junto com investimentos em formação para o trabalho e novas escolas de terceiro grau. O comércio tem crescido, surgindo setores que vêm atender a essas classes médias, como revendedoras de automóveis, casas de móveis e decoração e aumento significativo de casas de materiais para construção, entre outros.

5. A Questão Social

Apesar de uma certa dinâmica ser observada, os problemas sócias continuam crescendo, principalmente a partir da crise do setor canavieiro na década de 90, notando-se a favelização das periferias e o aumento da criminalidade e violência. O desemprego e a segurança se firmam como um dos maiores problemas dessas cidades. Os indicadores do desenvolvimento humano e das condições de vida da população da Mata, medidos pelo Índice de Desenvolvimento Humano - IDH e pelo Índice de Condições de Vida - ICV, registram uma distancia muito grande para uma situação de desenvolvimento aceitável. Todos os demais indicadores sociais de condições de vida, medidos pela escolaridade, habitabilidade e de saúde, refletem sempre a mesma situação de carência da população. As cidades pacatas vão apresentando cenários semelhantes aos grandes centros urbanos, com moradias de baixa habitabilidade, sem saneamento e outros serviços essenciais.

Os programas compensatórios do Governo Federal vêm, de certa forma, minorando a situação de pobreza criada pela crise da cana e por toda uma conjuntura gerada em decorrência das diretrizes públicas prevalecentes nos últimos anos. Merecem destaque os programas de Erradicação do Trabalho Infantil, de apoio à criança de 0-6 anos e serviços assistenciais, que atende a pessoas idosas, os quais vêm trazendo para a região um volume de recursos que tem um efeito multiplicador nas atividades locais além de suprir parte das necessidades básicas dessa população.

6. O capital Social

Os primeiros movimentos sociais na Zona da Mata Pernambucana surgiram da reação dos trabalhadores em defesa dos interesses do homem do campo, em face da grande dependência que mantinham com os usineiros. Esses movimentos lutavam pelos direitos trabalhistas desrespeitados, pela posse e uso da terra. O início da década de 60 assistiu o momento de maior tensão, quando da atuação das Ligas Camponesas.

São inúmeras as associações rurais vinculadas aos sindicatos, permanecendo importante o seu papel, durante e após a crise do Setor Canavieiro. Além da defesa dos interesses trabalhistas, os sindicatos atuam também no apoio assistencial aos seus associados. Muitos dos trabalhadores têm a dupla condição de trabalhador assalariado e de produtor familiar, em parcelas de assentamentos, porém mantêm seus vinculos com o sindicato de trabalhadores rurais.

Recentemente, ONGs e outras novas formas de organização social vêm-se instalando na Região, entre elas os destacam-se fóruns, conselhos, comissões, câmaras e comitês, criados pelos programas oficiais, com composição paritária (governo/sociedade), com o fim de articular a participação popular no planejamento, fiscalização e controle das políticas públicas. Aos poucos, esses colegiados vêm possibilitando a participação mais efetiva da sociedade local em programas na área de produção rural, saúde, educação, apoio à criança e ao adolescente, segurança e bem-estar, social, entre outros.

Cooperativas e organizações não governamentais - ONGs, criadas por profissionais especializados, têm viabilizado o desenvolvimento e a execução de projetos produtivos e sociais e promovido a capacitação de grupos, em parceria com os governos federais, estadual e municipais, além de contribuir para a mobilização, sensibilização e mediação de questões de interesse do conjunto das sociedades locais. A presença da Federação de Órgãos para a Assistência Social e Educacional - FASE, na Mata Sul e mais especificamente em Palmares, e dos Sindicatos dos Trabalhadores Rurais de Palmares, Ação Social da Paróquia dos Palmares, Centro das Mulheres e a Federação das Associações do Município dos Palmares tem sido um exemplo dessas iniciativas na região. Suas ações vêm sendo dirigidas para intervenções nas discussões de questões temáticas e nas políticas públicas e têm contado com apoio de entidades de pesquisas, como o Observatório do qual participa a Universidade Federal de Pernambuco e agências nacionais e internacionais de financiamento de ações de apoio ligadas às organizações sociais, entre elas a Cáritas, a Oxifam-GB ou GTZ.

Reconhece-se, assim, que a Mata, dada sua longa historia de lutas populares, apresenta inúmeras organizações que dão suporte aos Movimentos Sociais, podendo caracterizar-se numa região onde há uma participação efetiva das camadas populares, através de suas associações, na busca de soluções para seus problemas. A Federação dos Trabalhadores da Agricultura de Pernambuco - FETAPE continua tendo uma participação decisiva nas negociações com o setor sucroalcoleiro.

Redatores: Wilame Jansen e Rivaldo Mafra.

Rua da Amizade, 70, Graças CEP 52011-260 Recife - PE | Fone/fax: (81) 3421.1119 | E-mail: ancora@ancora.org.br